jusbrasil.com.br
18 de Fevereiro de 2020

O discurso do Oscar que é um ensinamento para advocacia

Joaquin Phoenix tem algo a nos ensinar

Alice Aquino, Advogado
Publicado por Alice Aquino
há 5 dias

Não assisti o aclamado filme Coringa ou muito menos era fã do ator, por muitas vezes eu cheguei a julgá-lo como um excêntrico em seu local de trabalho, com surtos no meio das gravações. Entretanto, com apenas algumas palavras, Joaquin Phoenix me fez pedir desculpas mentalmente e ter uma nova visão dele como pessoa.

Fui arrogante em julgar alguém por notícias midiáticas e criar um esteriótipo em cima disso.

O que isso tem haver com advocacia? Muita coisa...

Advocacia é uma categoria que é complicada atualmente, falta união e muitos (não estou me excluindo) sofrem com ego.

Recentemente conversando com advogados com anos de advocacia, vi o quanto tenho a aprender, que tenho muito chão pela frente.

Massss...para o assunto ficar mais claro, confira o discurso de Joaquin Phoenix e continuamos a conversa:

“Não me sinto acima de nenhum dos outros indicados ou de qualquer outra pessoa nesta sala. Todos nós compartilhamos o mesmo amor pelo cinema. Esse meio me deu tantas coisas extraordinárias que nem sei o que eu seria sem ele. Mas acho que o maior presente que me deu, e a muitos nessa sala, é a oportunidade de usar nossa voz pelos que não têm.
Seja falando sobre desigualdade entre gêneros, racismo, direitos LGBTQ+ ou indígenas, direitos dos animais, estamos falando sobre lutar contra a ideia de que uma nação, uma raça, um gênero ou uma espécie tem o direito de dominar, controlar, usar e explorar outros sem impunidade. Acredito que nos desconectamos demais do mundo natural, e nos sentimos culpados por ter uma visão egocêntrica, a crença de que estamos no centro do universo.
Entramos no mundo natural, roubamos seus recursos. Nos sentimos no direito de inseminar artificialmente uma vaca e então roubar seu bebê quando ele nasce, mesmo que seus gritos de angústia sejam perceptíveis. E então bebemos o leite que é destinado ao bezerro e colocamos em nosso café e cereal. Quando usamos amor e compaixão como nossos princípios, podemos criar, desenvolver e implementar sistemas de mudança que são benéficos para todos os seres e ao meio ambiente.
Fui um canalha minha vida toda. Fui egoísta, cruel às vezes, alguém difícil de trabalhar. Estou grato porque muitos aqui nessa sala me deram uma segunda chance. Acredito que estamos no nosso ápice quando apoiamos uns aos outros. Não quando nos cancelamos por erros passados, mas sim quando nos ajudamos a crescer. Educamos uns aos outros, e nos guiamos no caminho pela redenção.”

Gosto tanto desse discurso que colaria na parede do quarto para ficar olhando.

Se foi algo por marketing, pouco importa...

Esse discurso é tão inspirador e faz com que posicionamentos sejam repensados, inclusive para advocacia.

Todos os advogados compartilham o mesmo amor pelo Direito (bom, pelo menos os que não escolheram pelo dinheiro) e ainda assim muitos acabam brigando por motivos bobos. Já perdi as contas de quantas vezes vi pessoas discutindo nos comentários aqui no Jusbrasil, sou culpada também porque já fiz isso e pelos motivos errados.

Tive tempo para repensar meu comportamento e perceber que isso não leva a nada. Opinião é algo pessoal, cada um tem a sua e isso não nos dá o direito de menosprezar a opinião alheia. Somos operadores do Direito, temos tudo em comum e isso não deve ser motivo de discórdia.

Usamos nossa voz para atuar pelos nossos clientes, assim como os atores quando dão vida aos seus personagens. É apaixonante quando se tem a noção real do que significa advocacia. Vejo tantos colegas que perderam esse brilho, trabalham unicamente para pagar boletos.

Somos bombardeados por críticas? Todos os dias.

Temos que desistir e perder a paixão? Jamais.

Em cada um dos meus artigos eu leio uma reclamação de alguém que diz que o advogado que contratou não presta ou que toda a classe é corrupta. Sabe o que eu faço com esses comentários? Ignoro, porque não são eles que definem nosso trabalho.

Nós lutamos contra as injustiças, grandes ou pequenas, falamos por pessoas que precisam de alguém que tenha conhecimento técnico para resolver seus problemas.

A parte final do discurso de Phoenix é como um grande “tapa na cara” dos atores, diretores e equipe técnica que estavam presentes na cerimônia do Oscar. Afinal de contas, a mídia sempre divulga que os sets de filmagens são cheios de problemas envolvendo ego de famosos e brigas por papéis.

Essa frase: “Acredito que estamos no nosso ápice quando apoiamos uns aos outros. Não quando nos cancelamos por erros passados, mas sim quando nos ajudamos a crescer. Educamos uns aos outros, e nos guiamos no caminho pela redenção”. Diz muito sobre advocacia, mesmo que você não concorde.

Quando passei a escrever em conjunto e trabalhar com outros advogados, percebi que união é um dos elementos principais para o crescimento pessoal e profissional. Sempre iremos aprender algo trabalhando em conjunto, às vezes mais do que imaginamos.

Fui egoísta como Phoenix em um passado não muito distante, não sabia trabalhar em grupo ou compartilhar, mas assim como ele, me deram uma segunda chance de provar que mudanças podem acontecer.

Advogados precisam se ajudar de verdade, não apenas marcar presença em eventos da OAB, mas sim colaborar um com o outro, trabalhar em equipe, não ficar apenas criticando a opinião alheia ou desmerecendo o trabalho dos outros.

Já critiquei trabalho e opinião alheia? Já.

Continuo fazendo isso? Me belisco toda vez que deixo escapar algo, pra me lembrar de que não estou na pele do outro para saber a realidade.

Desde que comecei a escrever, digo que vou falar sobre assuntos que ninguém toca, só que eu mesma me negava a admitir meus erros. Estaria sendo desonesta escrevendo sobre algo e praticando o inverso.

Já perdi as contas de quantos colegas conheci pelo Jusbrasil e me socorreram em um momento de dúvida ou me apoiaram com um projeto novo. União é o que nos faz ir adiante e não permanecer na mesma posição do jogo sozinho.

Joaquin Phoenix nos deixa o melhor recado: vamos alcançar nosso ápice apoiando uns aos outros. Não se trata de palestras ou comissões da OAB e sim de verdadeira ajuda, tirando uma dúvida do colega, sendo cordial (que é o mínimo), fazendo aquela parceria bacana, curtindo e comentando nas redes sociais ou simplesmente gritando “Uhuuu!” quando o colega conquista algo.

🔶

Se curtiu o discurso, comenta aqui dizendo o porque acha que isso. Bons discursos merecem ser enaltecidos.

🔶

Para ter acesso a mais conteúdo de Direito Civil sem juridiquês é só acessar: www.aliceaquino.adv.br, onde trato de diversos assuntos que podem lhe interessar.

94 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Bacana!!! continuar lendo

Obrigada Dra. continuar lendo

Não tinha visto o discurso dele, mas é lindo e inspirador. Após ver o filme "Coringa" eu li um pouco da história dele e realmente, é uma história cheio de altos e baixos, igual a de todos nós.
Porém, o que importa, é a humildade para reconhecer os erros, aprender com eles e seguir no processo de evolução.
Concordo com a Doutora, é muito importante a nossa união, sou nova na advocacia e fazer parcerias me ajudou muito, mas quando falo em união, não é só em relação a clientes, mas também a acreditar e apoiar o outro.
Quando nos unimos, conseguimos transformar a jurisprudência e movimentar a máquina para ajudar e melhorar a vida da sociedade, como aconteceu com o reconhecimento da União Estável da comunidade LGBTQ+.
Devemos lembrar que nós provocamos a justiça e está em nossas mãos o poder de transformá-la.

E meus parabéns pelo texto incrível! continuar lendo

Obrigada Fernanda!

Eu meio que me apaixonei pelo discurso rs

Nós jovens advogados sentimos falta de união realmente, do apoio dos advogados mais velhos de carreira e da OAB na questão suporte. Precisamos de apoio em todos os sentimentos no começo. continuar lendo

Não colaria apenas o discurso na parede, mas todo esse artigo.
Parabéns, dra! continuar lendo

Obrigada Dra.! continuar lendo

Belo comentário! Espero que, sem pudor, você escreva assim novamente.

Canso de presenciar o advogado derrotado que não sabe perder, o ganhador que manifesta desprezo pelo concorrente, aquele que não sabe fingindo saber, aquele que sabe tornando a sua expertise algo sobrenatural.

O egocentrismo, como a Dra. explicitou em seu corretíssimo texto, macula a nossa profissão. Esquecemo-nos que somos uma classe, categoria, conjunto. Há muitos advogadas egocênctricos, suas atitudes ou comportamentos são voltados para si mesmos, de modo relativamente insensível às preocupações dos outros. Essa não é a melhor atitude para quem faz parte de uma classe, de um conjunto de pessoas que exerce a mesma profissão.

Parabéns pelo texto. Parabéns pela sensibilidade. continuar lendo

Obrigada Tasso!

É tão importante tocar nesses temas quanto sobre direito. Estamos sendo honestos em um mundo velado. Quer ver como tem colega que é exatamente como você descreveu? Basta ver as descurtidas do artigo. Falei o artigo inteiro sobre união e olha o que acontece. Alguns já declararam que são meus inimigos pela forma como escrevo. Infelizmente não dá pra agradar todo mundo, mas eu vou continuar sendo honesta. continuar lendo